Na passada quarta feira (13) o decreto-lei seguiu para análise e foi aprovada a multa a todos aqueles que não pagam o salário de igual valor a homens e mulheres. Finalmente todas as mulheres que se sintam injustiçadas das em relação a diferença salarial poderão actuar legalmente.

“(…) multa, que corresponde ao dobro da diferença registada em cada mês (…)”

Posto isto, cada caso será analisado e deverá aguardar pela apuração em acção judicial, e na eventualidade de ser constatada uma ilegalidade a empresa será punida com uma aplicação de uma multa, que corresponde ao dobro da diferença registada em cada mês, de acordo com a decisão do senador Fernando Bezerra Coelho.

Ora portanto, se as empresas se lembrarem de não pagar de forma igual a homens e mulheres que desempenham a mesma função, lembrem-se que vão pagar em dobro tudo aquilo que não quiseram pagar só porque se trata de uma mulher, que muitas vezes pode desempenhar a sua função tão bem ou melhor que um homem, mas isso também são questões relativas que não interessam aqui.

” Em macro empresas a diferença de salários é de quase metade, as mulheres recebem a menos 44,5%. Em micro empresas a diferença desce para 23%.”

O senador também afirma as percentagens médias da diferença de salário entre homens e mulheres em micro e macro empresas. Em macro empresas a diferença de salários é de quase metade, as mulheres recebem a menos 44,5%. Em micro empresas a diferença desce para 23%. Ainda assim trata-se de uma desigualdade enorme, pois uma vez que desempenham as mesmas funções, devem ser remunerados de igual forma de uma vez por todas.

Esta era uma medida que devia ter sido aplicada há bem mais tempo, e a todas as mulheres que passam por esta situação, não se calem, pois é devido a isso que a empresas muitas vezes abusam dos seus empregados. Para podermos combater esta desigualdade é necessário que todos estas situações sejam expostas. Não tenham medo de perder o emprego, informem-se e façam tudo de forma inteligente, já lá vai o tempo da escravatura! Para todos aqueles que quiserem manifestar a sua opinião deixem comentário abaixo.

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS