Uma equipa internacional de pesquisadores da Universidade de Yale estimou que o planeta tem mais de 3 biliões de árvores, cerca de sete vezes mais do que se pensava anteriormente.

Apesar das boas notícias, a mudança climática ainda é um problema.

E as árvores são um fator decisivo, pois são armas naturais para combater essa ameaça, pois eliminam o dióxido de carbono do ar, convertendo-o em oxigénio.

Isto foi confirmado pelo ecologista Thomas Crowther e os seus colegas da universidade suíça ETH Zurich. Numa de suas análises, afirmaram que há espaço suficiente nos parques, florestas e terras abandonadas do planeta para plantar as árvores necessárias para a recuperação do clima.

Não estamos a alvejar áreas urbanas ou agrícolas, apenas terras degradadas ou abandonadas, e temos o potencial para enfrentar os dois maiores desafios do nosso tempo: as mudanças climáticas e a perda de biodiversidade”, disse Crowther.

Eles dizem que ao plantar 1,2 biliões de árvores, pode reverter uma década de mudança climática, isto é, de emissões de carbono, seria anulada, segundo Crowther na conferência da Associação Americana para o Avanço da Ciência em Washington, DC, em Fevereiro passado.

Se esse objetivo fosse alcançado, Thomas Crowther disse que superaria qualquer outro método para lidar com a mudança climática, desde a construção de turbinas eólicas até dietas vegetarianas.

Mas embora possa haver espaço para um trilhão de novas árvores, é realmente prático plantar esse número?

Parece irrealista, mas não é impossível.

Na verdade, a organização Plant For The Planet iniciou uma campanha para alcançá-lo. Inicialmente como a campanha Billion Tree da ONU em 2006, foi posteriormente entregue à organização, que aumentou as suas ambições de plantação em resposta ao trabalho de Crowther.

Eles já plantaram cerca de 15 milhões de árvores, com a ajuda de vários governos, incluindo a Índia, que plantou mais de 2 milhões de árvores como parte da iniciativa, segundo a CNN.

“Eu acho que você pode conseguir um trilhão de árvores”, disse Sagar Aryal, presidente da PFTP. “Não é que não tenhamos dinheiro suficiente no mundo, talvez os governos, por si só, não possam fazer o suficiente, mas, se trabalharmos em conjunto com o setor privado, podemos fazê-lo”, acrescentou.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS