O fato de você ir a Igreja não te trará glorias e realizações se o seu coração não estiver verdadeiramente voltado para o amor e a caridade. A Igreja é um lugar sagrado e deve ser respeitada por todas as pessoas que a frequentam, mas a única forma de se respeitar esse local santo é se santificar realizando boas ações.

De nada adiantará ir a Igreja toda semana se você não praticar boas ações.

Muitas pessoas pensam que o ato de ir até a Igreja as redime de suas falhas e de seus pecados, mas o que redime mesmo, são as boas ações praticadas durante o decorrer da vida. Ir a Igreja é importante sim, porque ela nos lembra, no momento em que estamos lá, das palavras de Jesus e do amor que Ele sente por nós.

Algumas pessoas precisam ser lembradas constantemente, outras já possuem as palavras d´Ele dentro do coração, frequentam ou não, mas sempre estão pensando em como podem ajudar o seu semelhante, e não contribuem, nem inconscientemente, com as energias maléficas e contrárias ao amor ensinado por Ele. A comunhão em Cristo só se dá efetivamente quando o sentimento empregado no ato devocional for realmente baseado em amor honesto e sincero.

Aos olhos de Deus não importa o lugar que você frequente, a religião que você escolhe, nem as horas destinadas a pregação, o que realmente faz sentido é o que você carrega em seu coração, é as boas ações que você pratica, os momentos verdadeiros que você destina aos que precisam do seu apoio e do seu amor.

Quando nos exaltamos por frequentarmos a Igreja como se fossemos melhores do que aqueles que se recolhem em oração silenciosa, na proteção de seu lar, estamos nos vangloriando por algo que efetivamente não demonstra a nossa bondade interior.  A bondade não está relacionada ao ato de ir até um templo ou até um recanto considerado santo ou como sendo a casa de Deus. Porque a casa de Deus é o lugar onde existe amor verdadeiro, e esse lugar é onde Deus faz morada.

Faça do seu coração a casa de Deus, e ele estará sempre contigo.

Aqueles que agem diariamente movidos pelo egoísmo, pela raiva, que plantam discórdia, que invejam o seu semelhante, que vibram negativamente ou até mesmo comungam de ideais e ideias preconceituosas, não possuem um coração voltados a Deus, mesmo que frequentem a Igreja constantemente.

Nenhuma igreja é capaz de transformar um coração malogrado em um coração benfeitor.

Devemos ter consciência de nossos atos, e de nossa verdadeira bondade, para que nos inclinemos em direção ao Criador de forma que nos transformemos em praticantes de sua palavra. Quando fingimos ser bondosos, simplesmente indo até um templo sagrado, estamos tentando enganar aquEle que nunca se engana. Um coração bondoso demonstra a sua santidade com as suas boas ações, com a sua dedicação aos que sofrem e com as suas obras de amor.

Um coração pecador, tenta abafar seus erros e apenas confessa em segredo quando se propõe a ir até a Igreja, quando deveria confessá-los diariamente a si mesmo buscando transformá-los em aprendizado revigorante, na intenção verdadeira de nunca mais pecar. De nada adianta tentar enganar a Deus com caridades mesquinhas, porque assim, você estará enganando a si mesmo, já que Deus é parte de nós.

Ao enganar a si mesmo você estará perdendo um tempo precioso de vida, pois não estará aprendendo a amar nem mesmo a si próprio, quanto mais aos outros.

Devemos nos ajoelhar em oração de maneira que a fé nos impacte verdadeiramente, e nos motive a nos redimir das nossas falhas com ações bondosas, e que nos leve a curar o nosso coração que ainda sangra resmungando injustiças e condenando o nosso próprio irmão. Pratique boas ações e tente, diariamente, transformar essa bondade aparente, em bondade edificante! Em doação calorosa, em amor transbordante.

Não é fácil servir a Deus de maneira despretensiosa, já que a maioria de nós ainda possui sentimentos inferiores e emoções desajustadas, mas o importante é que tentemos constantemente nos alinhar ao sentimento de amor que envolveu Jesus por toda a sua vida.

Assim seja!

Por: Iara Fonseca

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS