Cerca de 100 cetáceos foram mantidos num lugar pequeno demais na costa do Pacífico da Rússia, perto da cidade de Nakhodka, no sudeste do país.

No total, 11 orcas e 90 baleias estão “presas” e os ativistas chamam agora de “prisão de baleias”, o que é absolutamente ilegal. De acordo com a Whale and Dolphin Conservation, é o maior número de animais marinhos na história que foram mantidos em “prisão”. Ele prometem que vão investigar sobre este assunto para ver se os pobres animais estão mantidos em cativeiro ilegalmente.

Pego e vendido para a China

Há suspeitas de que estas espécies foram capturadas e mantidas para fins comerciais. A ideia é vender os animais para parques temáticos na China a um preço bastante elevado, de acordo com Telegraph, uma baleia ou uma orca pode custar mais de 6 milhões de dólares.

Como na China os parques de diversões marinhos estão em expansão obviamente que vão precisar dos animais como atração. Existem cerca de 60 parques marinhos na china e pelo menos mais cerca de meia dúzia estão em construção.

O Ministério Público ainda está a investigar a verdade por de trás desta descoberta das “prisões marítimas” para perceber se estes animais estão a ser mantidos ali para fins científicos ou educativos, como dizem as empresas. Supostamente a empresas receberam autorização para capturar apenas 13 cetáceos, mas as imagens mostram um número mais elevado. Os advogados tem também de analisar as condições em que os animais estão, uma vez que a Greenpeace diz que é uma “tortura”.

Mesmo que tudo não passe de uma especulação, e que de facto estes animais estejam mantidos ali para fins científicos e educacionais, não é permitido conter animais adultos e bebes no mesmo tanque, portanto algo de errado se passa e precisa de ser investigado.

De acordo com os especialistas, a escala desta atividade não é apenas prejudicial para os cetáceos mantidos nos recintos, mas também para o futuro desta espécie.

“Com a captura a este ritmo, corremos o risco de perder toda a população de orcas”, disse Oganes Targulyan, coordenador de pesquisas do Greenpeace na Rússia, ao The Telegraph.

“A cota de captura agora é de 13 animais por ano, mas nenhum deles leva em conta que pelo menos uma orca é morta para cada uma que for capturada”.

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS