Não há nada mais doloroso do que sentir que as pessoas nos julgam pelas nossas escolham, nos julgam e nos excluem, só porque tomamos decisões que elas provavelmente não tomaria (dizem elas, que não passam pela mesma situação).

Mas basicamente é isso mesmo, as pessoas julgam-se uns aos outros, porque todos temos desafios de vida diferentes um dos outros, cada um reage de maneira diferente e temos opiniões diferentes em relação a tanta coisa. Porque é que temos de julgar a pessoa que se veste de uma forma só porque nós nunca teríamos coragem?

Vamos deixar cada um “ocupar” o seu espaço porque só assim somos verdadeiramente felizes.

Foi com este tipo de comportamentos inaceitáveis que Arlén Aliaga coviveu durante algum tempo, pois ela era um menino, que se sentia como uma menina e que achava que não encaixava naquele corpo então decidiu tomar uma atitude e mudou de género.

Obviamente que muitas pessoas sabendo da sua condição, que na minha humilde opinião penso que seja um acto de extrema coragem por não ser algo muito comum, muitas vezes acabam por descriminar a menina e deixá-la um pouco de parte, parecendo que se trata de uma doente em quarentena.

Cansada deste tipo de situação Aliaga pode finalmente respirar de alivio.

O Liceu em Santiago no Chile, que alegadamente é um liceu só para meninas, recebeu a matricula da pequena e no seu primeiro dia de aulas, dia  de Março ela recebeu atenção do país e estava super feliz por finalmente poder aprender.

A entrada da menina na escola foi das coisas mais aguardadas de sempre, havia imprensa para registar o momento e assim considerado um acontecimento importante. Talvez porque a escola é uma das mais prestigiadas do país, e realmente entendemos bem o porquê.

Antes ela estudava no Liceu Barros Borgoño, no qual ela afirma que não era bem tratada, sofria de descriminação e não a deixavam usar o uniforme de mulher, uma vez que tinha sido menino, obrigavam a menina a vestir o uniforme de menino. Então farta desta situação a menina pediu ajuda ao presidente de Santiago, Felipe Alessandri e finalmente conseguiram colocar a menina numa escola à altura.

Tradução e adaptação: cnnchile.com

COMPARTILHAR

RECOMENDAMOS